Histórias da CART 3503

Para denunciarmos, para perdoarmos, mas para jamais esquecermos!

domingo, 24 de fevereiro de 2008 | 17:59

Heróis?! - 2


Continuação daqui

Numa pequena mesa, cartas na mão, os comandos «superiores» fingiam não escutar as «bocas» daquele médico feito «major», que os «operacionais» tinham como grande amigo.
A proximidade da época natalícia, e do fim do ano tornavam o ambiente ainda mais tenso que o normal. Toda a companhia preparava a sua festa de Natal. A «Companhia Macaca» com um pinheiro, símbolo clássico lá longe, na terra, e a que os soldados africanos aderiam, colocado no meio da caserna, criou o ambiente possível para esquecer, ou pelo menos, tentar amenizar as saudades, uma vez mais, exactamente naquela que é por todos considerada a festa da família.
Todos falavam na esperança do regresso breve, pois nos primeiros dias do ano novo, a comissão de serviço chegava ao fim. Ao mesmo tempo, não se conseguia esquecer «aquele que dormia naquela cama», e o outro «que ficava aqui junto da árvore de natal», ambos tombaram nesta maldita guerra; e outros que tiveram de regressar mais cedo, com marcas físicas, para sempre. E a hipótese, quase realidade, de algum ainda vir a cair no tempo de serviço que ainda restava cumprir.
Os comandantes sentiam a tensão vivida à sua volta. Havia que combater. Intensificavam-se as saídas de grupos de combate para o mato, uma das formas de aproveitar a agressividade que em certos momentos mais se apoderava dos soldados. Por outro lado, iniciaram-se os preparativos para organizar um festival de Natal. Falava-se na vinda de cantores e músicos.
Uma operação de envergadura de apoio a uma coluna logística que vinda de Nampula e se destinava lá bem ao Norte – Mocimboa do Rovuma – deveria ser comandada pelo capitão desta companhia, a partir de Mueda. Mais de 50 viaturas, entre militares e civis, transportando abastecimentos e material diverso, com o empenhamento de mais de uma centena de homens.
Á medida que os dias de Dezembro se iam sucedendo, a coluna aproximava-se de Mueda e por isso iniciavam-se os preparativos para a receber, e depois levá-la até ao seu destino. Estas colunas, eram o grande drama daqueles que passaram por Mueda e que nelas tinham de participar. Raramente conseguiam chegar ao destino e voltar com o mesmo número de homens que as iniciavam. As baixas, pelos ataques que sofriam ao longo das picadas, e principalmente, os efeitos das minas, antipessoais ou anticarros, marcavam quantos nelas participavam. A tensão vivida em Dezembro era reforçada pela realização desta coluna.Para o capitão, seria a primeira saída «a sério» para o mato. As interrogações acerca do que o esperava eram amenizadas com o conjunto de tarefas a que tinha de responder, desde a escolha dos homens que o acompanhariam, os materiais de guerra que importava levar, as viaturas militares necessárias, etc. etc.

Etiquetas: , , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial